Trabalho, labor ou emprego? Por Allan X. Brito



A palavra trabalho é supostamente oriunda do vocábulo latino "tripalium", que era uma forma de tortura romana. A terminologia labor, do latim "labore" tambem possui uma conotação de esforço árduo e prolongado, daí o termo "laborioso", trabalhoso, complicado.

Já a palavra emprego pode significar tanto a aplicação de esforço - o mesmo esforço referido acima - no desempenho de atividades que geram riquezas quanto ocupação em serviço público ou privado; cargo, função, colocação. Profissão é o que você faz para viver. Vocação é aquilo que te chama. Missão é seu objetivo primordial.

Mil anos depois do ápice do Império Romano, na constituição de nossa sociedade brasileira - do branco português que desejava enriquecer, e rápido, para voltar a seu país e se "amostrar"; o negro africano trazido à força sob o jugo da escravidão e o índio que foi sugado para esse convívio com o qual ele não  tinha nada a ver e que simplesmente não compreendia - o "tripalium" ficou com o escravo.
O branco não queria nem lavoro, mas viver de renda, como a alta sociedade inglesa - em termos bem "Jane Austenianos".

Tem gente que diz que os EUA são o que são porque sua fundação é o lavoro, o emprego de funções mentais e fisicas no fomento da circulação de valores mediante a criação de bens e/ou serviços.

Já percebi que é comum em nossa sociedade a menção ao trabalho, que nos sustenta financeiramente, como algo que causa sofrimento e não como uma atividade louvável, causa de enobrecimento do laborante, como aprendizagem e crescimento profissional. Sim, muita gente encara o trabalho como uma punição, uma maldição, quase um crime.

Eu assumi o desafio de mudar essa concepção em mim e acredito que estou vencendo. Já passou o tempo de nós, brasileiros, encararmos nossos empregos mais como riqueza e menos como um trabalho. Eu sei que trabalho dá trabalho e prefiro biscar minha profissão, minha vocação e, mais profundamente, minha missão de vida. Acredito que estou no rumo.

Ainda não aprendi a lidar de forma perfeita com o estresse diário, a pressão profissional e a cobrança de mim mesmo, mas me permito aprender uma coisa nova a cada dia. E me preparo a cada dia para o salto de carreira, saindo do "trabalho" rumo à riqueza de fazer o que verdadeiramente amo.



Allan Xenofonte de Brito é um homem, vivo, habitante do planeta Terra, o quarto do sistema solar em proximidade da estrela mais próxima - se acha bonitão e charmoso. Gosta de motos, vestir-se bem e . Tem fé em Deus e em si mesmo, ama sua família e cultiva o conhecimento em sua tradicional fonte de transmissão: os livros.


Mora com sua esposa e filho nos alpes caririenses do bairro Grangeiro, na cidade de Crato.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sucesso! Por Adamo Brasil

Quem eu sou? Por Malcolm Chandler

Quem eu sou? Quem sou eu? Por Adriana Tavares