Medo - Por Adriana Tavares



Era medo quando olhei pra trás, e era medo também quando me defrontei com o que havia pela frente.
Havia medo em deixar partir e em buscar algo novo.
Porque fui moldada nas bases mais profundas de resistir ao desconhecido e de abandonar o que me pertence em conhecimento, como uma ligação extracorpórea que tenho às sombras da caverna, e nem ouso olhar com todos os sentidos, por medo de permanecer imóvel no tempo.
Ainda me estremeço e ruborizo com o futuro, ainda me debruço em devaneios ao passado e sem ter aonde ir me afundo na ansiedade pulsante do pavor.
Coração latejante e quase enérgico me causa desconforto, como se fosse desidratar de tanto que minha pele chora em agonia.
Não sabendo explicar porque sinto isso apenas sinto, o medo; aquele medo que vi anteriormente na infância das impressões recém experimentadas.
E dessas experiências aprendi a temer, a não querer, a desconfiar, a resistir, e também a não aprender outras coisas, apenas esconder de mim mesma a vivência de outras situações, com medo delas me transportarem novamente ao que vivi e me paralisou.
Mas sei que dentro do espectro vibrante de multi possibilidades que minha mente é capaz de produzir posso resgatar memórias que me levem adiante, mesmo que o medo ainda segure em minha mão de jeito forte e impositor.
Decido segurar na mão desse medo e na outra mão seguro um quê de sei lá o quê, mas um quê que me impulsiona. Sinto-me como numa balança emocional e o riso nervoso se instala em meu peito.
A vista escurece levemente e uma ânsia de arrepios me embriaga.
O caminho incerto está logo ali, bastando apenas que eu dê o primeiro passo, e tal como infante a aprender a andar cambaleio em direção ao infinito de mundos que a vida me oferece.
O medo me envolve, aquele medo tão conhecido.
Aquele medo, ali, me deixando em vias de desconstrução.
E eis que o quê de sei lá o quê me empurra e sigo adiante, passo por passo numa luta comigo mesma entre parar e seguir.
O medo estará sempre ali, a me espreitar, assim como aquele quê que carinhosamente apelido de EU.
Tem dias que o medo me vence, noutros vence o EU.

Hoje sou toda EU.

Comentários

  1. Esse texto reflete a realidade de muitas pessoas, mas que essas não sabem expressar realmente o que sentem.
    Parabéns por vencer seu medo e por nos fazer refletir sobre essa triste realidade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sucesso! Por Adamo Brasil

Quem eu sou? Por Malcolm Chandler

Quem eu sou? Quem sou eu? Por Adriana Tavares